Colégio Anchieta

Seus fundadores foram Padres e irmãos jesuítas italianos da Província Romana, a partir do dia 12 de abril de 1886, atual Província Centro-leste do Brasil.

O Colégio começou a funcionar na casa-grande da antiga fazenda e sesmaria do Morro Queimado, conhecido pelos colonos suíços com o nome de “Chateau”, ainda usado pelo povo da cidade para designar o Anchieta. O Colégio foi fundado como Internato para alunos de todo o Brasil.

Com o aumento do número de alunos, iniciou-se a construção do grande e majestoso edifício atual, no dia 1º de janeiro de 1901. Sua construção durou oito anos. O Anchieta logo se tornou famoso e conhecido em todo Brasil pela excelente educação que dava aos seus alunos.

Os professores eram todos Padres Jesuítas, mas, em 1922, com a diminuição dos padres vindos da Itália, foi preciso acabar com o internato e transformar o Anchieta em seminário, para a formação de Jesuítas Brasileiros. Em pouco tempo, o Colégio encheu-se de seminaristas que iam desde o seminário menor, chamado Escola Apostólica, até a Faculdade de Filosofia. Depois do Internato (1ª fase), o seminário foi a segunda fase da história do Colégio.

A terceira fase começou em 1966, quando diversas classes seminarísticas se transferiram para outras cidades. Neste período, o Anchieta se transformou em Externato, recebendo alunos não só de Friburgo, mas também das cidades vizinhas.

Em 1969, o Anchieta passou a receber alunas. Hoje, ao completar 123 anos de fundação, o Colégio tem 900 alunos, recebendo a mesma formação que o Anchieta sempre colocou como meta: excelência na formação humano-cristã e excelência acadêmica que levem seus alunos a serem transformadores da sociedade, para que esta seja mais justa e cristã.

Para isso, ajuda também o meio ambiente externo do Colégio, circundado por um amplo espaço verde, considerado um verdadeiro parque ecológico.


Informações:
(22) 2525-4400

COMO CHEGAR:
Rua General Osório, 181, Centro, Nova Friburgo – RJ

Anterior

Country Clube

Pico do Caledônia (Atualizado)

Próximo

Deixe um comentário